Archive for Maio 2016

As Fantásticas Histórias do Ursinho Polar e do Ursinho Pardo

"Era uma vez, numa terra fria coberta pelo gelo branco, dois ursinhos: um ursinho branquinho, ou Polar, e um ursinho marronzinho, ou Pardo. Como todo animal conhecido, os ursinhos precisavam se alimentar. O Ursinho Polar conseguia chegar mais perto de sua presa, pois sua pelagem branca se confundia com o branco do gelo, fazendo assim com que o Ursinho Polar não fosse percebido pelas presas à longa distância. Já o Ursinho Pardo, com sua pelagem escura e marrom, era visto de longe pelas suas presas, que fugiam com mais facilidade. Sem se alimentar e sem forças, o Ursinho Pardo pereceu sem se reproduzir e, seus irmãos Pardos logo deixaram de existir nesse ambiente gélido."


"Era outra vez, numa floresta bastante arborizada, dois ursinhos: um ursinho branquinho, Ou Polar e outro ursinho marronzinho, ou Pardo. Como todo animal conhecido, os ursinhos precisavam se alimentar. O Ursinho Pardo conseguia chegar mais perto de sua presa, pois sua pelagem marrom escura se confundia com os troncos das árvores, fazendo assim com que o Ursinho Pardo não fosse percebido pelas presas à longa distância. Já o Ursinho Polar, com sua pelagem clarinha e branca, era visto de longe pelas suas presas, que fugiam com mais facilidade. Sem se alimentar e sem forças, o Ursinho Polar pereceu sem se reproduzir e, seus irmãos Polares logo deixaram de existir nesse ambiente florestal."


A isso se dá o nome de seleção natural. Fatores naturais fizeram com que o animal com a mutação genética (no caso, a cor da pelagem) mais vantajosa para aquele ambiente passasse essa mutação adiante. Isso acontece com todos os animais, inclusive o homem (pesquise sobre os Sherpas).

Pois bem. Pesquisas da Universidade do Texas sugere que pode existir um gene para a maldade. Óbvio que um índivíduo que possui esse gene, para passá-lo adiante, precisa se reproduzir.


Bom não sou cientista e posso estar falando uma grande bobagem. Hoje o aborto é legal (dentro da lei) em duas hipóteses: quando há risco de vida para mãe ou quando é fruto de um estupro. Aliás, quando é caso de estupro o Estado deve garantir atendimento médico e medidas preventivas de doenças. Porém, existem correntes religiosas ideológicas querendo criminalizar o aborto quando é fruto de estupro. Eu fico me perguntando: a seleção natural não serve de argumento?


Recentemente uma jovem de 16 anos deu queixa após ser violentada por 33 homens. NO MEIO DE 33 HOMENS NÃO TINHA UM FILHO DE UM CU PRA DIZER "Não cara. Não podemos fazer isso. Isso tá errado." PARA OS OUTROS 32??? Não é possível cara. Será que, se esses genes não fossem passados adiante, em alguns anos (que sejam alguns mil anos) a seleção natural não tiraria esse gene da maldade do ser humano? Seria o caso de castração química não só para estupradores, mas para outros tipos de indíviduos criminosos?
sexta-feira, 27 de maio de 2016
Posted by Leo Coutinho
Tag :

Mais Lidos

Facebook

O Mijão no Instagram

Pingos pelo Twitter

- Copyright © Pingo na Cueca -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -