Posted by : Leo Coutinho terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

A meritocracia não é um monstro capitalista. Nem deve ser mais uma luta da esquerda (opositora á meritocracia) contra a direita (defensora do sistema meritocrático). Na verdade, essa discussão não deveria nem ser política, mas social.

"Ué" - vocês me diriam - "mas nesse caso é possível separar o social do político?"

É sim. A meritocracia é um sistema que defende que posições de maiores destaques, como altos cargos nas empresas, sejam definidos por méritos como inteligência e não por motivos como amizade. Isso só pra citar exemplos.

Mas eu digo que não é um monstro capitalista porque o problema passa por vários outros pontos distintos à meritocracia. Como por exemplo, a diferença abismal da distribuição de renda e o sistema educacional retrógrado e ineficiente.

A meritocracia não define quem ganha mais ou ganha menos na sociedade. Em uma hierarquia específica, sim. Mas não na sociedade. O que define isso é a distribuição de renda do sistema capitalista, que nada tem a ver com a meritocracia em si. A pergunta deveria ser "Por que o chefe do departamento de RH ganha absurdamente mais do que o chefe dos garis de determinada região de determinado estado?".

Perguntar o motivo de um chefe ganha mais do que o empregado não é a pergunta certa. A resposta é obvia. Ou deveria ser uma vez que num sistema meritocrático ideal o chefe virou chefe por méritos próprios. Na teoria o tal empregado um dia teria, ou não, méritos próprios para virar chefe. O problema é que o nosso sistema nunca foi e ainda não é meritocrático e as posições são decididas na amizade ou no famoso QI (Quem Indica).

Voltando ao caso de que o chefe do RH ganha mais que o chefe do Gari, isso não é um problema meritocrático. Imaginem que tanto o chefe do RH quanto o chefe dos Garis tiveram méritos próprios para chegarem às suas respectivas chefias. Por que então, levando-se em consideração que o cargo exercido é de igual responsabilidade porém em diferentes áreas, um ganha tanto mais que o outro? Esse é um problema da nossa distribuição de renda totalmente ineficiente e não da meritocracia gente.

"Ahhhh. Mas quem tem mais facilidade de estudar em locais mais seguros e com a barriga cheia tem mais condições de alcançar cargos maiores"... SIM! Mas novamente esse problema não é da meritocracia. É da segurança, das falhas do Estado, da educação... De uma porrada de coisas, mas não da meritocracia! Pensem, que caso não fosse a meritocracia, qual seria o critério utilizado? Amizade? Família? Nepotismo?


A imagem acima vem sempre acompanhada de críticas ferrenhas à meritocracia. Ora bolas! Obviamente o problema não é da meritocracia e só uma mente muito fechada não vê isso. A seleção não é justa, assim como não seria se o exame fosse voar mais alto ou nadar mais rápido! E isso não tem nada a ver com mérito! Isso tem a ver com justiça e com educação!

Eu ainda não sei qual é a alternativa à meritocracia. Não sei mesmo. Se souberem me dizer, eu topo discutir com quem for civilizado. Com ignorantes não dá.

Mas comecem a pensar separadamente se o problema da meritocracia é mesmo a meritocracia ou se são outros problemas que "impossibilitam" a meritocracia de ser "justa".

Leave a Reply

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

Mais Lidos

Facebook

O Mijão no Instagram

Pingos pelo Twitter

- Copyright © Pingo na Cueca -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -