Archive for Setembro 2013

Rock In Rio 2013

Vou tentar não entrar muito no mérito do mimimi em torno no nome do festival. Vou tentar resumir essa parte:

Rock In Rio é um festival de música, e não de Rock como o nome sugere. Nos anos 80 o Rock predominava. Roberto Medina se aproveitou disso e criou um festival e uma marca utilizando o nome, APENAS. Já na primeira edição tínhamos Elba Ramalho, nossa Ivete Sangalo da época. Saudosistas que falam que bom foi o primeiro que só tinha rock, estão falando uma bela duma merda e provando que não têm nada de inteligente pra falar.


Dito isso, vamos as festival!

Atrações interessantes e, dessa vez, muito bem divididas! Não vou comentar uma a uma, mas acho que, salvo um ou dois enganos, a divisão de bandas e artistas pelos dias foi muito bem feita!

Para os que só reclamam, essa edição tiveram 2 dias de metal, liderados pelos maiores ícones do metal mundial, Metallica e Iron Maiden, e um dia com excelentes pop rock / hard rock, liderado por Bon Jovi. Não vou comentar sobre a qualidade desses shows porque sou suspeito pra falar sobre o Iron Maiden.

Tivemos dois dias voltados ao pop, com Beyoncé e Justin Timberlake nos comandos. Não vi nenhuma dessas atrações, então não posso opinar. Disseram que foi muito bom, então acredito nos amigos. ;)

Tivemos um dia voltado ao rock alternativo muito bem emcabeçado pelo Muse. Não me lembro de ter visto tantas bandas alternativas em um Rock In Rio antes. Achei muito válido! Espero que o Medina comece a pensar em criar um dia voltado ao AOR também, estilo que curto demais!

E tivemos também um dia de rock clássico, com Bruce Springteen fazendo um show antológico!

De qualquer maneira, vou deixar que as críticas aos shows sejam feitas pelas mídias especializadas. Quem quiser alguma opinião minha, pergunte-me! Rsrs

Esse ano também vi e ouvi pouca reclamação a respeito de furtos e assaltos (exceto pelos preços praticados) dentro da Cidade do Rock, assim como me pareceu melhor organizado e mais confortável. Ponto pros organizadores que resolveram limitar a quantidade de ingressos em 85 mil por dia em prol do conforto.

A edição de 2015 já está confirmada e parece que os ingressos serão limitados em 80 mil. Particularmente, acho o número ideal.

Acho que, em termos gerais, essa edição do Rock In Rio foi muito bem organizada! As coisas funcionaram. Sempre que precisei fui rapidamente atendido. Tirando a Tirolesa, as filas na Cidade do Rock não eram tão absurdas. Ambulantes (credenciados sempre) em número razoável e lojas dando vazão. Mas, infelizmente, preços absurdos e abusivos. Nem tudo são flores.

$$$ Rock In Rio Club $$$


Bom, disso eu vou reclamar! Eu entrei para o Rock In Rio Club. Paguei por isso. Ganhei um cartão de membro e uma guitarra miniatura. Algumas poucas promoções por e-mail rolaram.


Porém, foi dito que na Cidade do Rock você poderia apresentar seu cartão pra ter alguns descontos e vantagens. Não vi NADA que me desse desconto ou vantagem. Paguei os mesmos valores e enfrentei as mesmas filas de quem não tinha pago pra entrar no clubinho.

Então, particularmente, considero o Rock In Rio Club uma fraude.

É isso pessoal...
Uma crítica rápida e rasteira sobre o festival!
quinta-feira, 26 de setembro de 2013
Posted by Leo Coutinho
Tag :

Dia de Fúria

Segunda-feira. Hora do almoço.

Maicon Douglas resolveu ir a um restaurante concorrido no Centro do Rio de Janeiro. Como era de se esperar, bastante cheio. Mas ainda havia lugar pra sentar. Após um bom tempo lutando pra conseguir pegar a comida, Maicon Douglas sentou em sua cadeira e comeu.


A comida lá é bem gostosa. Não há o que reclamar. Só a carne que não é Friboi. Tony Ramos não aprova.

Por conta de Murphy, toda uma galera acabou de comer ao mesmo tempo que Maicon Douglas e foram antes para fila pagar a conta. Apenas um dia comum na vida desse trabalhador.

Mas o restaurante só tinha um caixa funcionando! E ainda trabalhando em câmera lenta! Fudeu! Maicon Douglas, que já estava virado no samurai por conta de estresses particulares, foi tomado por uma revolta e começou uma manifestação!

 - Porra! Como um restaurante desse só tem 1 caixa funcionando!? Não pode! - Maicon Douglas esbravejou!

Não satisfieto, começou um quebra-quebra no local, prontamente seguido por alguns trabalhadores que tiraram suas camisas e cobriram os rostos.

Viraram algumas cadeiras e mesas até o gerente do restaurante e alguns garçons tentarem segurá-los.

Maicon Douglas, que a essa altura também estava com sua camisa do Flamengo já enrolada na cara, empurrou o gerente e gritou palavras de ordem como "Vem Pra Rua" e "Fora Cabral". Nessas horas, Maicon Douglas não fazia questão de ser racional.

Senhoras se encolhiam no canto do restaurante e champignons voavam dos estrgonofes nos pratos dos clientes.

Como num filme, a porta da cozinha se abriu e um cozinheiro, tomado pelo espírito do Capitão Bruno, saiu da cozinha jogando Molho de Pimenta Árabe em todos os clientes que não usavam a camisa enrolada no rosto.

Após a confusão, o gerente disse que não ordenou o ataque do cozinheiro. Mas o cozinheiro disse que jogou molho de pimenta nos clientes porque quis.

Maicon Douglas saiu sem pagar a conta e com o espírito renovado pela justiça que acabou de promover naquele restaurante corrupto.
segunda-feira, 9 de setembro de 2013
Posted by Leo Coutinho

Mais Lidos

Facebook

O Mijão no Instagram

Pingos pelo Twitter

- Copyright © Pingo na Cueca -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -