Archive for Dezembro 2011

Que Venha O Melhor Ano de Nossas Vidas! (De novo!)

Todo final de ano a mesma lenga-lenga... Planos, promessas, objetivos, desejos de Feliz Ano Novo até pra quem a gente menos gosta e não quer que seja feliz... Mas é bonito desejar boas coisas, então, que assim seja.

O último dia do ano serve também pra gente fazer uma auto-crítica. Analisarmos o que aconteceu de certo e de errado no moribundo ano. 365 dias (ou 366) de um monte de merda que você fez, falou, pensou vêm na sua cabeça.

Claro que a memória não armazena tudo, mas alguns fatos importantes ela armazena.

Entre casamentos reais, ocupação de favelas e morte de terroristas e ditadores, sobrevivemos! Fodam-se os pormenores! Nós somos sobreviventes! Nós, ou a maioria de nós, passou com dignidade por esse ano maluco! Muitos de nós viveram uma vida de ilusão, muitos de nós choraram de alegria, de tristeza, muitos de nós tivemos filhos e aprendemos novos significados pra palavra "amor".

Muitos fizeram merda atrás de merda, muitos magoaram pessoas que gostam muito e, orgulhosas, não pediram desculpas. Muitos pediram desculpas, mas não adiantou nada por não ter sido de verdade. E muitos pediram desculpas sinceras e se sentem melhores pessoas por isso.

Enfim... Que o ano findo tenha sido um excelente aprendizado pra todo mundo! Pq é exatamente pra isso que a gente tá aqui!

Feliz Ano Novo galera! Que este seja o melhor ano de nossas vidas! De novo!


sábado, 31 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho
Tag :

Quilometragem...

Quilometragem...

Dizem os poetas da internet que cada centímetro de piroca que entra e sai de uma mulher é o que define a quilometragem de rodagem de uma mulher.

Por exemplo, falando em médias, peguem papel e caneta:
Uma transa dura 7 minutos. 60 penetrações por minuto. 420 penetrações pro transa.
Se a piroca média é de 15cm, a mulher recebe por transa 6300cm de piroca, ou seja, 63 metros.
Considerando 3 fodas por semana e 52 semanas no ano, são 156 fodas no ano.
Fazendo as contas, são 9828 METROS de pica por ano! Quase 1KM de piça!


Contando direitinho. Uma mulher de 25 anos que teve sua vida sexual iniciada aos 17 anos levou o equivalente a 80Km (OITENTA QUILÔMETROS) de rola só na perseguida, sem contar oral e anal!!!

Isso, claro, em média...

Vou contar uma historinha...

Tinha esse cara, digamos que o nome dele seja Ariosvaldo, que era louco por essa menina, hummmmmm, de nome Zeferina.

Ele, que carinhosamente chamarei de Ari, era tão louco por ela que a colocava acima de tudo e de todos. Era a mulher mais linda do mundo. Mais legal. Mais tudo! Mas, como toda história de amor que se preze, o amor de Ari não era correspondido por Zeferina, doravante chamada Zefa.

Zefa sabia do seu charme, e principalmente, sabia que exercia um grande poder sobre Ari. Zefa, apesar de ser uma garota legal, era uma garota disputada. Todos os rapazotes da cidade queriam a Zefa. E muitos a tiveram. Afinal, era uma bela garota que gostava de rapazotes.

Certo dia, Zefa decidiu que devia dar uma chance a Ari, que também era um bom rapazote, mesmo não sendo muito belo. Ari era engraçado, carinhoso, cativante. Zefa queria sentir um pouco disso, já que com os outros rapazotes Zefa só tinha experimentado o sexo, mas nenhum sentimento.

Ari, feliz com a chance, fez tudo como manda o figurino! Levou Zefa ao teatro, riram bastante, foram jantar por conta do Ari, sempre cavalheiro. Conversaram, mais risadas. Ari levou Zefa ao melhor motel da cidade! Tiveram uma noite de amor maravilhosa! Zefa nunca tinha experimentado essa sensação antes! Ela tinha encontrado seu homem!

Ari manteve aquele sonho pra ele, esperando que fosse real. E era. Zefa queria Ari e Ari queria Zefa. Depois de mais umas noites, Ari tomou coragem e pediu Zefa em namoro. Ela disse sim! Os dois ficaram tão felizes que Ari foi correndo contar pros seus amigos.

Ligou para seu melhor amigo, Washington, e desembestou a falar:

- Oi Tom! Ari! Beleza?! Sabe a Zefa... Então... Eu...

Antes de terminar de contar, porém, foi subitamente cortado por Tom.

- Sei sim. Da rua de cima?! Já comi muito! Que bundinha gostosa e apertada!

Ari, desconcertado, desconversou e não contou a novidade. Ligou então para Fulano de Tal, famoso na cidade, amigo de infância de Ari. Fulano morava fora do país, mas sempre vinha visitar a família e por acaso estava na cidade...

- Fala Tal! Ari! Tranquilo cara?! Como tá a família?!
- E aí Ari! Que surpresa boa você me ligar! A família vai bem! E você?! Novidades!?
- Tenho sim! Lembra da Zefa?!
- Lembro porra! Da rua de cima?! Lembro muito! Mês passado, quando vim visitar meus pais, levei ela prum motel... Sabe como é, estudando fora, bem sucedido, foi fácil. Boquete mais gostoso da cidade é o dela, sem dúvida! O que tem?!
- Errrr... Nada demais. Deixa pra lá...

Ari não sabia mais pra quem ligar. Estava com medo da conversa. Sua empolgação diminuía a cada segundo... Não que Ari quisesse uma mulher virgem. Ele não tinha essa ilusão. Mas já são 2 x 0. O encanto começa a ser quebrado...

Decide então ligar pra Tilambúrcia, amigona de sempre! Não era possível que Tila já tivesse tido um caso amoroso com Zefa...

- Tila! Ari! Tudo bom!
- Oi Ari! Tudo ótimo! E você?!
- Vou bem... Você por acaso lembra da Zefa?!
- Dá rua de baixo!?

Tila não morava na mesma rua de Ari. Se conheceram na escola e não eram vizinhos, mas moravam perto.

- Sim! Ela mesma!
- Lembro sim. Vagabunda total. Estudou com meu irmão no segundo grau. Meu irmão já me falou um monte dela. Certa vez ela deu pra ele e mais dois em uma festa. Ele disse que ia um em cada buraco e eles iam revesando. Os três gozaram na boca dela e ela engoliu tudinho! Meu irmão disse que a safada ainda queria mais e saiu da festa com outro carinha. Gulosa demais!

TU-TU-TU...

Ari desligou e mais tarde falou que caiu a ligação...

Ari não aguentou. Que vantagem tinha namorar a mulher mais linda da cidade se todos já a tinham provado. Que novidade contar pros amigos se todos saberiam que Ari estava dando bitocas na cabeça da piroca de cada um deles por tabela!?

O encanto de Ari acabou. Ari desistiu do namoro. Ari começou a perceber que não são os homens que não valorizam as mulheres, mas elas mesmo que não se dão valor. Ari começou a tratar Zefa como pedaço de carne e a comeu mais um pouquinho porque a vagabunda só merecia isso. Zefa sofreu. Ari se conformou. Fim.
terça-feira, 27 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho

Será?

Rio de Janeiro - 768º - Início de verão.

Nesse calor onde até cachorro na bunda sua (solta a vinheta da Praça É Nossa!), nada pior que pegar um fukcin' busão cheio e sem ar-condicionado. É um belíssimo estímulo ao mau humor.


Puxo a cordinha indicando ao muito bem educado piloto do coletivo-microondas que quero descer daquela merda. Outra moça, também mal-humorada pelo calor infernal, levanta-se de sua cadeirinha (reclamando de quê?! Tava sentada porra!) e desce junto comigo.

Ao descer do ônibus, ela, que numa manobra de dar inveja ao ninja Jiraya, desce na minha frente e protagoniza a cena mais bonita que já vi na minha vida: ela, provavelmente emocionada pela surpresa, encontra o seu amado esperando por ela no ponto de ônibus e dá um belíssimo sorriso!

Ok. Tirando a pobreza da cena, vim pra casa pensando sobre isso e cheguei a seguinte conclusão:

Talvez seja possível fazer uma mulher feliz sem ter um carro!

A pergunta é:

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho
Tag :

O Amor e Coisas desse Tipo...

Passei o domingo todo pensando em coisas aleatórias. Acordei com futebol na TV onde um espartano Barcelona de Messi arruinava a vida de um passivo Santos de Neymar... Domingo é assim mesmo, um dia estranho...

De qualquer modo, o dia ia passando e minha cabeça pensava em coisas aleatórias como a utilidade prática dos pombos na natureza, ou o porquê da televisão brasileira ser tão merda no domingo...


Não sei dizer ao certo quando o meu pensamento chegou em você. Mas sei que, quando chegou, não quis mais sair. Toda e qualquer coisa ou situação que eu pensava, você tinha que estar lá. Era obrigatório vestir o seu traje. Ter a sensação de sentir o seu perfume em todo lugar que eu passava e o seu toque em tudo que eu esbarrava pelos labirintos dos meus devaneios.

Relembrar as mensagens trocadas, as palavras sempre doces... Os conselhos, os cuidados... Imaginar como alguém pode se dedicar tanto assim, de tão longe... Centímetros viram quilômetros... Horas, semanas... E a relatividade espaço-temporal tem relação direta com você.

Preciso sair de casa. Preciso mudar o foco. Pensar em você, por mais gostoso que seja, não pode consumir todo meu tempo. Não pode. Eu não posso deixar. Não quero deixar. Gostaria de ter forças para lutar contra, mas é forte demais. E eu não sou tão forte assim.


Saio de casa e não consigo fechar a porta do elevador sem segurar por um segundo a mais e deixar você entrar. Olho pro lado e não vejo ninguém. Mas quando olho no espelho vejo seus olhos fixos em mim, com aquele sorriso lindo, iluminado, com tanta ternura quanto dentes. Aqueles olhos dizendo, sem deixar margem pra dúvidas, que você é minha! E sim... Me chamando pra ser seu.

E mais uma vez eu me pego pensando nas coisas que você me diz. Cartas, e-mails, mensagens, bilhetes...

Mas percebi, nessa fração de segundos dentro daquele elevador, que ler as mensagens não era mais suficiente. Eu tinha que ouvir sua voz. Precisava escutar aquelas palavras saindo de sua boca e não sendo escritas por seus dedos.

Pego o telefone, procuro seu nome, vejo sua foto de contato. Descontraída. Linda. Mais sorrisos. Sempre o sorriso. Aquele sorriso que me ganhou na primeira foto.


Ligo... O telefone toca... Um, dois, três, quatro toques... Eu penso em desligar. "O que eu tô fazendo!?", penso. No quinto toque você atende... Não sei o que dizer. Emudeço. E novamente os segundos parecem horas. Até que você diz "Alô?!" e me desmonta como uma criança brincando com Lego. Tão comum e ao mesmo tempo tão diferente de todas. Tão simplesmente você. Só quero fechar os olhos e ouvir...

Eu disfarço, digo qualquer coisa só pra saber como você está, o que está fazendo, se sente minha falta. Preciso que sinta minha falta. Preciso que você me queira. Mais do que isso, preciso sentir e saber que você me quer tanto quanto eu te quero.

Antes de desligar, "beijinhos"... E lá está você de novo... Longe. Parecia tão perto ouvir você falando no meu ouvido. Tão bom. Tão verdade. Tão minha por aquele breve momento. Minutos que pareceram segundos. Vontade de ouvir sua voz, mesmo que não tenhamos nada a dizer. Vontade de sentir seu toque, seu abraço, seu beijo, seu gosto...


Sair de casa não adiantou. Não tirou você do meu pensamento.

Muito menos te ligar me fez tão bem assim.

Porque no final estamos longe.

Muito longe.

Demais...
segunda-feira, 19 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho

Noite Santa, Silenciosa - Marli

Sério... Eu não sei nem o que comentar...
Hit Natalino pra substituir Então É Natal, da Simone, que ninguém aguenta mais.

Poesia, métrica, ritmo, afinação, emoção...
Tudo em uma só canção. Quero todo mundo sintonizando nessa música que já nasceu sendo um clássico!

Desafio vocês a ouvir 5 vezes seguidas essa maravilha!
Quem conseguir ganha uma bala Juquinha!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho

O que vc prefere: Ser ou Estar?!

Começarei o post com uma coisa incomum: um palavrão!

RESPECTIVAS PUTAS QUE OS PARIU!

Pronto. Agora estou mais calmo...
Tenho visto campanhas absurdas no Facebook... Animais mortos, bebês mortos, câncer de mama... Uma mais pior de ruim que outra. Mas uma me chamou bastante a atenção. Ou melhor, duas, mas sobre o mesmo assunto.

"Ame suas celulites" e "Odeie suas celulites" têm um quê de futilidade que me comove até... Façam academia, não façam academia e se aceitem. Mimimi fútil!


Impressionante como as pessoas valorizam a aparência sobre qualquer outra coisa! Não é que não devam valorizar. Devem sim. Mas é que dão importância absurda pra isso! Isso faz com que feios, como eu, queiram se matar! Não é legal esse tipo de bullying pra quem não tem a beleza vendida pela mídia.

Por outro lado, também não é legal desmerecer quem quer ter um corpo bonito e esbelto. Salvo quem tem uma excelente genética, minoria, as pessoas batalharam pra ter o corpo que gostam.

Mas uma coisa ninguém pensa. Cuidar da beleza deveria ser consequência! Ninguém cuida da porra da saúde! Vejo idiotas saindo de academias, todos(as) muito fortes e belos(as), e acendendo a porra de um cigarro nojento! Aí vai pra um bar e enche a cara de cerveja, vodka, tequila e afins! Porra! Que prioridade estúpida é essa?!

Não é que não devam se divertir... Sair e beber socialmente... Mas ninguém faz isso! O prazer de achar que se mostra mais macho ou mais adulta faz a pessoa ficar com a mesma pose: cigarrinho numa mão e copo de álcool na outra.

Então. Amem suas celulites, não amem suas celulites. Escolham. Tanto faz.
Mas seja qual for a escolha, primeiramente, cuidem da sua saúde! E façam com que a beleza do seu corpo seja consequência e não meta.
Cuidem do caráter! Primeiro de tudo! Caráter! Isso é o que de mais valioso você pode ter ou "presentear" alguém.

Sejam bons. Reavaliem suas prioridades, barreiras impostas por vocês mesmos, suas metas, seus meios.
Reavaliem o que vocês preferem: SER ou ESTAR. Não cabe os dois. Escolham um e sejam felizes! =)
segunda-feira, 5 de dezembro de 2011
Posted by Leo Coutinho
Tag :

Mais Lidos

Facebook

O Mijão no Instagram

Pingos pelo Twitter

- Copyright © Pingo na Cueca -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -